CRAV – primeira deslocação em época de pandemia

AAC 39 vs CRAV 15

Foi um CRAV ainda sem estar na sua máxima força e onde os problemas quanto aos  seus atletas da primeira linha continuam, devido a lesões e outras  indisponibilidades que continuam a assolar o plantel nessa posição específica.
Assim foi um CRAV com uma avançada de recurso que iniciou o encontro. A Académica de Coimbra, equipa com ambições de ainda chegar ao top 6 da divisão de honra, entrou  mais forte nos primeiros minutos impondo o seu jogo. O CRAV tardou em se encontrar e apesar de ter conseguido melhorar o seu trabalho nas situações estáticas do jogo, não esteve tão organizado defensivamente, permitindo que a equipa  adversária conseguisse marcar e tomar a dianteira no resultado.
O parcial ao intervalo era de 22 -8 para a equipa coimbrã.
Na segunda parte os minhotos procuraram  e conseguiram a espaços ir em busca de um melhor resultado, tendo criado dificuldades aos estudantes obrigando a que defendessem perto da sua área de validação por diversas vezes. Com o avançar dos minutos e com pouca profundidade no banco para as posições de avançados, obrigou a um desgaste suplementar que impediu que fosse possível uma maior aproximação no resultado. Ainda assim os arcuenses mostraram que podem ser competitivos e criar muitas dores de cabeça às defesas adversárias e que a partir do momento que seja possível equilibrar os seus jogadores disponíveis na primeira linha será possível nos próximos jogos discutir os resultados com a s equipas adversárias.
No final o resultado de 39-15 reflete uma vitoria clara da Académica contra uma muito jovem equipa arcuense, que para colmatar as suas faltas em certas posições em campo se viu obrigada a recorrer a alguns jogadores mais veteranos, mas ainda assim mostrou melhorias claras na formação ordenada e alinhamentos, em relação ao jogo anterior, o que permitiu uma maior e de melhor qualidade, posse de bola.