CRAV inicia campeonato da divisão de honra

CRAV 0 vs CDUP 38

Num ano atípico, dada a situação mundial causada pela pandemia de Covid-19, que criou em toda a sociedade dificuldades e desafios em todas as situações da vida quotidiana, o desporto em geral e o rugby em particular tem sentido esses desafios e limitações de forma agravada,pelo seu estatuto de desporto amador.

Ainda assim e cumprindo todas as regras e protocolos emitidos pela DGS, Federação Portuguesa de Rugby e demais autoridades públicas foi possível ao CRAV iniciar a sua participação no campeonato nacional da divisão de honra, escalão máximo do rugby português.

Um início de época atípico onde a somar às já normais preocupações e problemas que a situação de saúde pública que vivemos, vieram também enormes problemas para os arcuenses nas suas 1ªs linha. Nesta posição específica e tão importante do jogo e pelas mais variadas razões viu-se a equipa técnica limitada em muito nas suas escolhas, tendo só em cima da hora do jogo garantido os atletas suficientes nessas posições.

Assim foi sem surpresas que logo no início da partida o CRAV tivesse sentido muitas dificuldades nas fases estáticas do jogo, o que o condicionava fortemente, dando ao adversário uma arma muito importante.

O CDUP com uma equipa recheada de grandes valores, com muitos jogadores internacionais e com aspirações a estar presente na fase final, entrou no jogo dominador, usando o seu jogo bastante expansivo para criar problemas à defesa minhota, ainda por cima usando a grande vantagem que tinham na formação ordenada e nos alinhamentos.

Ainda assim o CRAV demonstrou muita garra e capacidade na defesa tentando dificultar ao máximo o ataque portuense, tendo inclusive estado muito perto de marcar por várias ocasiões, tendo algumas das suas mais jovens promessas se exibido a grande nível. 

O resultado no fim da 1ª parte com os quatro ensaios marcados pelos visitantes era o espelho de uma superioridade clara destes.

Na 2ª parte o CRAV conseguiu equilibrar a formação ordenada e isso trouxe um jogo bastante diferente, mais estáveis nesta área do jogo, os arcuenses foram capazes de pressionar muito mais defensivamente, obrigando o CDUP a muitos erros ofensivos e equilibrando o jogo.

O resultado final de 0-38 para os visitantes, apesar de pesado para o CRAV, deixou algumas indicações que os minhotos se conseguirem resolver os problemas que presentemente sentem na 1ª linha poderão lutar de forma mais competente pelos resultados.