CRAV não consegue resultado positivo, apesar de boa exibição

CRAV 14 vs SL Benfica 35

Jogo da 2ª jornada do grupo de despromoção da Divisão de Honra, onde o CRAV defrontou o SL Benfica, um dos clubes históricos do rugby nacional. Esta temporada, os encarnados estiveram muito perto de de se qualificar para o grupo do título da divisão de honra, fruto do investimento que fizeram, dispondo de uma equipa bastante reforçada e de grande qualidade. Tarefa difícil que se antevia para os minhotos, o que se veio a confirmar no jogo. Ainda assim foram os arcuenses que inauguraram o marcador com uma penalidade, tendo na primeira metade conseguido uma exibição de boa qualidade,os  conseguindo conter os ataques visitantes e tomando a iniciativa do jogo. Com maior domínio territorial e tempo de posse de bola, o CRAV mandava no jogo, mas não conseguia converter em pontos essa superioridade, denotando muito nervosismo quando a bola chegava a zonas de finalização, cometendo, invariavelmente, algum erro que deitava tudo a perder. Ao contrário, os lisboetas, conseguiram marcar ensaios em três visitas à área de 22 metros da equipa da casa. Sendo que o último aconteceu na bola de jogo da primeira parte, num contra ataque, após perda de bola perto sua da área de validação, após um passe falhado de um atleta do CRAV que permitiu a recuperação encarnada, acabando esta metade com o parcial de 6-21.

Na segunda parte, o Benfica entrou decidido a resolver o jogo cedo, apostando na sua forte avançada, como forma de o fazer. A verdade é que o CRAV cedeu um pouco nesse início, sofrendo um ensaio (6-28), que lhe terá custado o resultado positivo que almejava. Ainda assim, os arcuenses nunca baixaram os braço, lutando sempre,tendo recuperado até aos 14 – 28, com uma penalidade e um ensaio, assinando uma das melhores exibições da época, não fossem as suas dificuldades de finalização e talvez pudesse ter obtido nesta partida um resultado mais positivo. Parecendo um pouco mais fresco fisicamente na parte final do jogo, o Benfica, numa fase que o CRAV procurava o ensaio que lhe poderia dar, no mínimo, um ponto de bónus defensivo, marcou o seu último ensaio, fixando o resultado em 14-35.